ASSOCIADOS

Perguntas Frequentes (FAQ’S)

 

Associados

Quem pode ser associado da ATRPT?

Podem tornar-se associados pessoas singulares, maiores de dezoito anos que:

a) Tenham sido trabalhadores das empresas Anglo-Portuguese Telephone Company, Telefones de Lisboa e Porto ou do grupo Portugal Telecom;

b) Sejam ou tenham sido trabalhadores de empresas do Grupo Altice em Portugal;

c) Sejam ascendentes, descendentes diretos ou cônjuges (vivos e sobrevivos) de Associados referidos nas alíneas a) e b);

d) Trabalhadores da Associação em exercício de funções.

Sou ex-trabalhador dos TLT/PT, posso ainda ser associado?

SIM. Pode

Fui trabalhador da Telecom Portugal (ex-CTT), posso ser associado?

SIM. Pode. Sendo a Telecom Portugal uma das empresas que esteve na génese da PT, tal como um ex-TLP ou de outra empresa equiparada.

Meu pai/mãe foram trabalhadores da PT, posso ser associado?

A recente alteração estatutária (A.G. de 1 de Junho de 2021) alargou a possibilidade aos  “c) … ascendentes, descendentes diretos ou cônjuges (vivos e sobrevivos) de Associados…; ”.

.

Meu pai/mãe, já falecido, foi trabalhador da PT, minha mãe/pai pode ser associado?

SIM. O cônjuge sobrevivo de um ex-trabalhador da PT pode ser associado da ATRPT.

Meu irmão/irmã é/foi trabalhador(a) da PT, posso ser associado?

NÃO. Só podem ser novos associados os ascendentes  e descendentes de actuais ou ex-trabalhadores da PT.

Moro fora do “Grande Porto” e sou/fui trabalhador da PT, posso ser associado da ATRPT?

SIM. A área de residência não é uma das condições necessárias para ser associado da ATRPT (ver resposta a “Quem pode ser associado da ATRPT”).

Qual o valor da quota mensal?

Atualmente, a quota mínima mensal é de 3,00 euros.

Contudo, os associados poderão optar pelo pagamento voluntário de outro valor superior de quota mínima mensal.

Como posso pagar as minhas quotas?

O pagamento das quotas poderá ser efetuado:

Por desconto no ordenado, para os associados que se encontrem no ativo, pré-reforma ou reforma, desde que recebam complemento de reforma.

Pessoalmente (em numerário ou cheque bancário) na nossa sede;

Por correio, enviando cheque ou vale postal para a morada da sede (não esquecer de indicar o número de associado);

Por transferência bancária para o NIB 0035 0651 00371379630 67.

Caso opte por esta forma de pagamento, envie-nos o comprovativo ou telefone para os nossos serviços informando do facto, para podermos associar o valor pago ao associado.

Acesso ao lar

Quem pode ir para o lar Arcanjo Gabriel?

Associados e seus cônjuges, com mais de 60 anos. Beneficiários da PTACS, em regime de acolhimento temporário. E, sempre que possível, o acesso ao lar pode ser extendido a ascendentes de associados e à população da área onde se localiza, por solicitação das autoridades administrativas locais.

Para mais informação consultar o Regulamento do lar.

Sou associado/a da ATRPT, o meu cônjuge pode ir para o lar?

SIM. Os cônjuges dos associados podem ir para o nosso lar.

Sou associado da ATRPT, meus pais podem ir para o lar?

SIM. Os ascendentes do associado podem ir para o nosso lar, sempre que possível.

Sou associado da ATRPT, meus sogros podem ir para o lar?

SIM. Os sogros são equiparados a ascendentes e como tal podem ir para o nosso lar, sempre que possível.

Sou associado da ATRPT, meu filho/filha pode ir para o lar?

A recente alteração estatutária (A.G. de 1 de Junho de 2021) alargou a possibilidade aos descendentes dos associados também se tornarem sócios. Logo, depois de serem associados, nesta qualidade, podem ir para o Lar.

 

Nunca trabalhei na PT, posso ir para o lar?

Sempre que possível, o acesso ao lar, torna-se extensível à população da área onde se localiza, por solicitação das autoridades administrativas locais.

 

O que é necessário para me inscrever no lar?

Preencher um formulário apropriado e entregá-lo nos nossos serviços administrativos.

Fundo Especial TLP

O que é o Fundo Especial TLP?

É um Fundo que abrange exclusivamente os trabalhadores dos Ex – TLP, subscritores da Ex – caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto – CPPTLP. 

Quem tem acesso ao fundo?

Beneficiários da Ex – Caixa de Previdência do Pessoal dos Telefones de Lisboa e Porto – CPPTLPT, no Ativo, Pré-Reformados, Reformados, Pensionistas de Sobrevivência e descendentes com direito às prestações familiares (filhos menores a estudar até, aos 25 anos e filhos deficientes com pensões vitalícias).

Quais são os direitos?

Subsídio por Morte pago duma vez só (ver Decreto – Lei 322/90 de 18 de outubro com nova redação dada pelos Decretos – Lei 133/2012 e nº 13/2013 de 25 de janeiro.

Este subsídio é devido independentemente das condições financeiras, mas é necessário requerer a sua atribuição (ver FAQ seguinte).

Para alem deste subsídio, os beneficiários também poderão obter os seguintes:

  • Subsídio para internamento em Lares;
  • Subsídio de apoio domiciliário;
  • Subsídio de precariedade económica.
Como posso obter o subsídio por morte?

No requerimento das prestações sociais, além do subsídio de funeral que é devido ao universo a todos os cidadãos, pensões de sobrevivências aos viúvos/viúvas, no impresso há um campo em que é perguntado: “qual a última caixa para onde descontou o falecido?”.

Depois de inscrever o nº do Beneficiário falecido, devem escrever – Ex-Caixa de Previdência do Pessoal dos Trabalhadores dos Telefones de Lisboa e Porto – CPPTLP (Decretos – Lei 322/90, 133/2012 e 13/2013).

O subsídio por Morte, é pago duma só vez ao cônjuge sobrevivo e o valor devido, é de seis vezes o valor médio da remuneração ou reforma detido pelo beneficiário da ex-CPPTLP à data do falecimento.

Como posso obter o subsídio para o lar ou para apoio domiciliário?

Tem de requerer através do ISS / Instituto da Segurança Social (Fundo Especial dos TLP) até ao terceiro mês da data do internamento ou do apoio domiciliário, e é pago a partir do mês seguinte à data do requerimento. Aconselha-se pedir logo que tenha certeza de que vai dar entrada no Lar ou vai começar a ter apoio domiciliário, tem de apresentar os documentos que abaixo se designa:

  • Documento comprovativo de Beneficiário da Caixa dos Ex – TLP;
  • Declaração da CNP da pensão atualizada; Complemento de Reforma ou de Sobrevivência atribuído pela PT / ALTICE;
  • Últimos recibos do agregado familiar;
  • Última declaração do IRS;
  • Último recibo da renda da casa / amortização bancária;
  • Recibos da água, eletricidade, gás e telefones;
  • Encargos com a saúde, quotas da ALTICE / ACS e outros (ver guia no site da Associação).
Como posso obter informação mais detalhada?

No sítio da Segurança Social – www.seg-social.pt – existe um Guia Prático que pode consultar e descarregar.

Este guia também se encontra disponível neste sítio: Guia Prático.

" "